Vocação pra ser feliz


Hoje faz um mês que não escrevo por aqui.

Penso um milhão de coisas para postar, mas não escrevo.

Mas o que anda martelando mesmo na minha cabeça, sem parar, é uma idéia. A de que é preciso ter vocação para ser feliz. Isso mesmo: vocação, talento.

Ou seja, ser feliz não é pra qualquer um, e tampouco depende de algo externo, algo que aconteça, algo que se compre.

Há gente que nada tem, que nunca sai da mesma rotina suada da vida e é feliz, sorri, fala com os outros de maneira aberta, gentil, sorridente, esperando que algo bom possa sair dali. Gente que enxerga a vida com os "olhos de boa".

Não se trata de bobos, ignorantes, esperançosos, Pollyanas espalhadas por ai. Mas de encarar as coisas de modo a viver bem, buscar em si mesmo onde estão as verdadeiras realizações, enxergar em cada dia um potencial de felicidade. Vocação. Talento.

Há outros que aparentemente tem tudo para ser feliz. Mas, a cada vez que alcançam aquilo em que depositaram a expectativa de realização, desfrutam por muito pouco tempo da sensação, e frustram-se, porque a busca terminou. Então projetam outra coisa, mais adiante, para alimentar a esperança de encontrar a felicidade: uma viagem, uma casa nova, carro novo...

Talvez, o que quero dizer é que a grande diferença está em SER/ESTAR feliz X TER algo que faça feliz.

Não está fora, em mais nada que não em nós mesmos. Não tenho muitas certezas, nem convicções, mas creio piamente nisto: a felicidade está nas nossas células, a cada segundo, no respirar, no pulsar, a cada maneira de reagir, agir.

Palavras como bom dia, pois não, obrigada, por favor, acompanhadas de um bom e doce sorriso são um primeiro passo.

Obrigada por ter lido estes delírios de reflexão. Agora preciso sair e sentir a brisa, deixar o sol clarear minha face, respirar fundo e ser feliz!

2 comentários:

Rita Apoena disse...

Sabe Bina, eu não me arrependo de não ter te encontrado até agora. Eu precisava antes conhecer a tranquilidade, a cura (sabia que eu até recebi alta do psicanalista?), conhecer as ruas da sua cidade para poder te enxergar com os olhos inteiros. A vida me deu um relance, mesmo quando ainda não era hora, do qual nunca me esqueço, você toda linda correndo com o seu filho lindo, um vasinho na mão. A minha sensação é: conhecer a pessoa certa na hora certa, ou pessoa tão feliz em hora tão feliz. Com amor.

Otilia Sabra disse...

Rita, florzinha,
Meu próximo post será em função do teu comentário.
Beijos, querida